Paralisia Facial é um distúrbio provocado pelo comprometimento do nervo facial (VII par craniano), responsável pela movimentação dos músculos faciais. A interrupção desse nervo causa o enfraquecimento e a flacidez dos músculos, podendo ocorrer de maneira completa ou incompleta e se apresentar subitamente ou desenvolver-se ao longo dos anos.  

Só no Brasil, a paralisia facial atinge por volta de 80 mil pessoas por ano. Dependendo da causa, pode durar pouco ou muito tempo, e seus sintomas variam desde danos estéticos até a dificuldade de fala e deglutição. É o profissional de Fonoaudiologia quem vai reverter esses sintomas, através dos seus conhecimentos da musculatura facial e sua funcionalidade.

A seguir, você vai descobrir como a Fonoaudiologia atua sobre a Paralisia Facial…

Tipos de Paralisia Facial

Os diferentes tipos de Paralisia Facial podem ser classificados em dois grupos:

  1. Paralisia Facial Central (PFC): As PFCs são provocadas por lesões vasculares, tumorais, processos degenerativos ou inflamatórios e podem ser acompanhadas por outras manifestações neurológicas como a paralisia de metade do corpo (hemiplegia) e incapacidade de fala (disartria).
  2. Paralisia Facial Periférica (PFP): As PFPs podem ter causas virais, metabólicas, infecciosas, emocionais ou mesmo idiopáticas (Paralisia de Bell). Nelas, ocorre a paralisia de todos os músculos, voluntários e involuntários, do mesmo lado da lesão.

Além disso, existem também três fases da Paralisia Facial:

  1. Fase flácida: Momento inicial, caracterizado por pouco ou nenhum movimento no lado da face paralisado.
  2. Fase de recuperação: Quando a musculatura começa a apresentar algum movimento.
  3. Fase de sequela: Em torno de três meses após a instalação da paralisia, o paciente pode desenvolver sequelas, caracterizada por movimentos involuntários ou rigidez observados no lado afetado pela paralisia.

Causas e diagnóstico

A paralisia facial deve ser diagnosticada por um neurologista, através de observação clínica e com o apoio de exames como a ressonância magnética ou a eletroneuromiografia.

Quando a paralisia é gradual, a sua causa mais comum é um tumor na cabeça ou pescoço. A paralisia repentina, no entanto, possui inúmeras causas:

  • Paralisia de Bell, sendo esta a causa mais comum de paralisia facial
  • Problemas de ouvido
  • Trauma craniano
  • Hipertensão
  • Diabetes
  • Infarto
  • Infecção ou inflamação no nervo facial
  • Doença de Lyme
  • Doenças autoimunes
  • Síndrome de Ramsay-Hunt

A efetividade da “cura” da paralisia facial vai depender da sua causa e se o diagnóstico foi realizado em sua fase inicial. Quanto mais cedo for iniciado o tratamento dos sintomas, maiores são as chances de uma recuperação completa.

Como a Fonoaudiologia atua no tratamento?

A Fonoaudiologia atua sobre a paralisia facial através da Terapia Miofuncional Orofacial (TMO), recuperando as características da expressão facial do paciente através de estímulos miofuncionais.

Ao contrário de outros tratamentos de recuperação, a Fonoaudiologia dá importância tanto à estética facial quanto a funcionalidade dos seus movimentos e musculatura, atuando de forma a adequar as funções neurovegetativas, expressões faciais e fala do paciente.

O tratamento consiste em exercícios miofuncionais, soltura, relaxamento ou contração muscular, manobras faciais, crioterapia e LASER de baixa frequência, contribuindo para diminuir o tempo de recuperação.

→ No mercado de Fonoaudiologia clínica desde 1989 e com mais de 500 cursos e palestras ministrados no Brasil e no exterior, a Dra. Patrícia Faro trata pacientes com Paralisia Facial. Para mais informações sobre o que a Fonoaudiologia pode fazer por você, entre em contato conosco e agende uma consulta.