Dormir ao lado de quem ronca não é nada fácil, e por isso mesmo o ronco é mais conhecido por suas repercussões sociais do que qualquer outra coisa. O que a maioria das pessoas não sabe, no entanto, é que o ronco pode ser um sintoma da apneia do sono, que pode levar a outras complicações ainda mais prejudiciais para o paciente caso ele não aprenda “como parar de roncar”. Dentre elas, destacam-se: Aumento da pressão arterial Variação do ritmo cardíaco Sonolência diurna excessiva Dores de cabeça pela manhã A medicina moderna desenvolveu diversos tratamentos para o problema, mas a FONOAUDIOLOGIA continua oferecendo a melhor solução não invasiva para corrigir as causas do ronco definitivamente. Confira a seguir quais são essas causas e como a fonoaudiologia pode tratá-las. O que é o ronco? O Ronco é um ruído provocado pelo estreitamento ou obstrução das vias respiratórias durante o sono, também conhecido como apneia do sono. A obstrução é causada pela flacidez dos músculos do pescoço, garganta, língua e bochechas, fazendo com que vibrem durante a passagem do ar. Ao deixar a boca aberta durante o sono, deslocamos a língua para trás, estreitando a via respiratória e dificultando a passagem do ar, o que pode resultar na sua interrupção várias vezes por noite. Nem todas as pessoas que roncam sofrem com a apneia do sono, a causa mais grave do ronco; mas a idade, o sedentarismo e o ganho de peso aumentam as chances do ruído ser acompanhado por engasgos provocados pelo corte no fluxo de oxigênio. Contudo, ultimamente muitas pessoas magras também estão apresentando ronco, justamente pela flacidez nas estruturas descritas acima. Entre as causas mais comuns da síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS), encontram-se: Flacidez na musculatura da boca e da garganta. Relaxamento da musculatura devido ao álcool. Obesidade e peso extra no pescoço e na língua que comprime a região da faringe. Rinite, sinusite e obstruções nasais que tornam a respiração oral obrigatória. Amígdalas e adenoides hipertrofiadas. Desvio do septo. Pólipos no nariz. Palato profundo. Palato mole e úvula aumentados. Queixo retraído. Envelhecimento. Posicionamento inadequado, como dormir de barriga para cima. Como parar de roncar com a Terapia Fonoaudiológica? A Terapia Fonoaudiológica é recomendada para o tratamento de roncos, apneias leves e moderadas, e para casos que não sejam provocados por obstruções orofaríngeas graves. O fonoaudiólogo especializado em Motricidade Orofacial apresenta uma série de exercícios ao paciente para diminuir a frequência e a intensidade do ronco durante o sono, além de amenizar quadros leves e moderados de apneia do sono, interrompendo a progressão da doença. Isto porque esses exercícios possuem como alvo a musculatura da região onde o ronco é produzido, trabalhando a flacidez dos músculos, assim como o posicionamento da língua. Estudos realizados com pacientes submetidos a exercícios focados nesse grupo de músculos obtiveram resultados muito positivos em relação a outros, apresentando uma redução de 36% no número de episódios de ronco durante a noite, e de 60% no barulho total produzido. Só no estado de São Paulo, 33% das pessoas sofrem com a síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono O ronco continua a ser visto como uma ocorrência normal por muitas pessoas, mas não o é. Associado a hipertensão arterial, angina, infarto do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais, o ronco é um problema tanto social quanto médico e deve ser tratado o quanto antes para prevenir o seu agravamento. → No mercado de Fonoaudiologia clínica desde 1989 e com mais de 500 cursos e palestras ministrados no Brasil e no exterior, a Dra. Patrícia Faro trata pacientes com Ronco. Para mais informações sobre o que a Fonoaudiologia pode fazer por você, entre em contato conosco e agende uma consulta.